DESERTO DO SAHARA

Dunas do Erg Chebbi e de Chegaga

O Sahara é uma planície desértica e pedregosa, responsável por aproximadamente 70% de todas as terras áridas do Planeta.
Cerca de um quinto de sua superfície é formada por extensos campos de dunas de areia.


Situado na África setentrional, o deserto do Sahara é limitado a oeste pelo Oceano Atlântico, ao norte pela cadeia do Atlas e pelo Mediterrâneo, a leste pelo Mar Vermelho e ao sul com o Sahel, uma área de transição de estepe semidesértica.
Abrange onze países africanos: Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia, Egito, Mauritânia, Mali, Níger, Chade, Sudão e o território de Saara Ocidental.
Em setembro de 1922, o Saara registrou a maior temperatura ambiente do mundo: 57,7°C, ocorrida na Líbia, em Al Aziziyah.
À noite, porém, a temperatura cai bastante, chegando facilmente a 10°C.

Descubra o deserto do Sahara, as dunas do Erg Chebbi e Chegaga nos nossos roteiros Na magia de Marrocos e Pra lá de Marrakech.

COSTA AMALFITANA – ITÁLIA

Costa Amalfitana

Ao sul de Nápoles, mais ou menos na canela da graciosa bota que é o mapa da Itália, esse paraíso do Mar Tirreno atrai famosos, milionários ou simplesmente entusiastas de um litoral maravilhoso.
A costa de 50 quilômetros é um verdadeiro showroom de exuberância natural, com mar azulzíssimo, vistas espetaculares, estradinhas com vilarejos incríveis, luxo, glamour – e, evidentemente, preços salgados e praias.

A Costa Amalfitana delimita-se ao norte por Vietri Sul Mare, um pouquinho acima de Salerno, e ao sul pela Península de Sorrento. 

Os points recomendáveis são vários: em Amalfi, principal cidade da região é uma das com melhores infraestruturas turísticas, existe uma impressionante catedral do século 9, erguida sob a influência de estilos diferentes como bizantino, barroco e árabe-normando. Positano faz o visitante esfregar os olhos diante de suas casinhas, posicionadas no morro íngreme, deslumbrantes quando iluminadas à noite, fica pertinho da Grotta dello Smeraldo, uma espetacular caverna com águas entre o verde e o azul-turquesa.
Já as vistas de Ravello, sede de importante festival de música, são páreo para as ilhas gregas.
A vista a partir de Villa Rufolo, sobre dramáticos penhascos, é belíssima, as praias como as das cidadezinhas Maiori e Minori são imperdíveis.

Conheça a Costa Amalfitana no nosso roteiro Itália Mágica.

PARQUE NACIONAL ADDO ELEPHANT – ÁFRICA DO SUL

Parque Nacional Addo Elephant

Localizado a 73 quilômetros da cidade de Port Elizabeth, em Eastern Cape, o parque é uma verdadeira aula de história.
Seu sucesso se deve a esforços de conservação e preservação, o parque ostenta o título de ter a reserva de animais e de elefantes mais concentrada de todo continente africano.

Proclamada em 1931 com apenas 11 elefantes, o Parque Nacional Addo Elephant (Addo Elephant National Park) tem hoje um afinado ecossistema com um santuário para mais de 450 desses animais – é a população mais densa de elefantes sobre a terra. Outros animais selvagens, incluindo o búfalo, rinoceronte negro, uma variedade de espécies de antílopes, bem como o escaravelho voador, são encontrado quase exclusivamente em Addo.
A combinação única de elefantes com os Big Seven -, rinoceronte, leão, búfalo, leopardo, as baleias e os grandes tubarões brancos – tornam o parque uma das atrações mais importante de Eastern Cape.

O parque também contém cinco das sete principais zonas de vegetação da África do Sul, além de possuir um rico patrimônio de sítios arqueológicos e históricos.
Os planos futuros incluem o anúncio de uma proposta de 120.000 ha de reserva marinha para abrigar uma das maiores populações do mundo de gansos e a segunda maior população reprodutiva de pinguins Africanos.
Esta reserva inclui também o maior campo de dunas costeiras do hemisfério sul.

Descubra Parque Nacional Addo Elephant no nosso roteiro Cape Town to Cape Town.

MOTOCICLISMO DE AVENTURA

Motociclismo de aventura um livro de Teiga Júnior

“Falar de motociclismo é falar de liberdade, de companheirismo, de intregação ao meio e às culturas diversas.
Podemos incluir aqui muitos outros termos vinculados à felicidade e ao prazer de estar vivo na sua plenitude, passando aos que nos rodeiam uma visão mais clara e positiva de uma forma de vida em comunhão com o bem-estar.”

“Planejando o sonho”

O livro tem duas propostas básicas:

Aprofundar o conhecimento sobre o motociclismo-aventura e auxiliar as pessoas no planejamento de suas aventuras.


“A Moto”

Vamos partir do começo da realização desse seu sonho e, para isso, você tem que saber qual a moto adequada para fazer a viagem escolhida.

“Ela é a nossa companheira e, portanto, devemos cuidar muito bem dela”

Ter a moto ideial para a aventura é fundamental, devendo estar de acordo com a sua proposta de pilotagem.
Saber qual o seu estilo de pilotar e qual o tipo de aventura a ser feitafará muita diferença.

“O Destino e o Percurso”

Pense sempre qua a viagem tem que valer a pena.
Para ter essa certeza, na fase do planejamento, você deverá colocar no papel todos os itens necessários, desde o ponto de partida até ao ponto de chegada, considerando cada peculiaridade do trajeto que ligará os dois pontos.

“Tenha o seu tempo”

Essas alterações podem nos fazer rodar em situações desfavoráveis, por mais quilômetros que o previsto, como por exemplo, à noite, ou mesmo ter que parar no meio do nada para dormir.
Então permita-se a isso e que não seja um fator de lamentação e aborrecimento.

“Valorize o seu limite”

Normalmente quando se tem uma ideia, comenta-se com as pessoas mais próximas, como familiares e amigos, e se essas pessoas multiplicam, de certa forma, suas ideias e pensamentos.
Muitos passam a “sonhar a aventura” com você e, em certas ocasiões, passam a querer participar desse sonho.

… e muito mais!

Texto retirado do livro “Motociclismo – Planejamento e execução em viagens de Abentura” do nosso amigo brasileiro Teiga Júnior.

“NUNCA ESQUEÇA QUE A BUSCA DE UM SONHO VEM COM MUITA LUTA, SABEDORIA E DETERMINAÇÃO”

ROUTE 62 – ÁFRICA DO SUL

  Route 62

A Route 62 exige uma exploração vagarosa e constitui o destino ideal para turismo.
Além do esplendor das paisagens, os amantes da natureza podem desfrutar das reservas de animais e das atividades ao ar livre.
A maioria dos vilarejos ao longo do caminho disponibiliza caminhadas, trilhas de mountain bike, passeios a cavalo e de moto BMW, enquanto outros oferecem pesca com iscas artificiais, passeios em canoas e escaladas de rochedos.

Também há cultura, sob a forma de museus, monumentos nacionais e arte rupestre do povo san.
Por fim, há diversas adegas de vinho e vinícolas, que supostamente tornam a Route 62 a mais longa rota vinícola do mundo.
A acomodação na Route 62 é variada e diversificada. Um dos nossos locais favoritos na região de Oudtshoorn é o Rosenhof, um hotel boutique de luxo. Para os hóspedes que quiserem fugir das multidões de Oudtshoorn, sugerimos o Housemartin Guest House, situado no pacato e arborizado vilarejo de De Rust.

Descubra a Route 62 no nosso tour Cape Town to Cape Town.

AIT BENHADDOU – MARROCOS

Ait Benhaddou


Ait Benhaddou é um ksar (em português Álcacer) situado a 28km de Quarzazate. Está inserido na lista de Património Mundial da UNESCO por ser um tipo de edificação singular e por se manter bem preservado até aos nossos dias. Esculpida numa encosta no sopé do Atlas com o rio a seus pés, esta “aldeia de barro” é um lugar exótico que não deixa ninguém indiferente.

A aldeia de Ait Benhaddou está camuflada numa encosta, as suas cores misturam-se com as da paisagem circundante pelo que à primeira vista o aglomerado habitacional confunde-se com o terreno. De facto a aldeia é toda ela construída em barro, dai a sua cor avermelhada.

A aldeia concentra-se dentro das muralhas e as casas parecem construídas umas em cima das outras, é um lugar muito compacto, com inevitáveis ruelas estreitas e acidentadas. As torres do forte e as fachadas dos edifícios, principalmente os maiores, são decoradas com bonitos rendilhados esculpidos no barro.

Entrando no ksar e começando a percorrer as ruas empedradas, somos surpreendidos pela cor dos tapetes e outras peças de artesanato á venda por todo lado e que contrastam com a cor avermelhada dominante.

A beleza única e exótica de Ait Benhaddou é muito procurada para cenário de filmes, aqui foram rodadas cenas de conceituados filmes como Lawrence da Arábia, A Múmia e Gladiador.

Visite Ait Benhaddou nos nossos roteiros Pra lá de Marrakech e Na Magia de Marrocos.

PRAÇA JEMMA EL FNA – MARRAKECH

Praça Jemma el Fna

Jemaa el-Fna ou Djemaa el Fna é a principal e mais célebre praça da cidade marroquina de Marraquexe.
Situa-se na parte histórica, a almedina, e faz parte do sítio Almedina de Marraquexe inscrito na lista do Património Mundial da UNESCO.

O nome da pode ser traduzido como “Assembleia dos Mortos”, pois no passado a praça era o local onde eram executados criminosos, cujas cabeças ficavam expostas para servir de exemplo. No entanto, como a palavra djemaa também significa mesquita, o nome do local pode ser traduzido como “lugar da mesquita desaparecida”, como referência a uma mesquita almorávida destruída.

A praça é a mais movimentada de Marraquexe, com vários espectáculos como saltimbancos, acrobatas, encantadores de serpentes, faquires, engolidores de espadas, curandeiros, músicos, dançarinos, contadores de histórias.

Durante a noite a Praça se torna um elixir da vida, a vibração sentida aqui é algo que pode ser vivenciado e não relatado. Cada metro do local é disputado por turistas, comerciantes, contadores de historias, músicos que tocam e cantam canções tradicionais, mulheres Berberes fazendo tatuagens, artistas de circo com seus saltos mortais e/ou cuspindo fogo, pequenas peças de teatro, dançarinos.

Conheça esta mítica praça, nos roteiros Pra lá de Marrakech e na Magia de Marrocos.

PICOS DA EUROPA – ESPANHA

Picos da Europa

O Parque Natural dos Picos da Europa olha o mar, cruzam-se aqui os ares do Cantábrico e os cumes altos das montanhas, as salamandras, os veados, os pastores de outros tempos e os lagos de origem glaciar.

O Parque Natural estende-se pelo Principado das Astúrias e pelas Comunidades Autónomas de Cantábria e Castela e Leão, abrangendo a totalidade do maciço dos Picos da Europa e parte da Cordilheira Cantábrica.

Divide-se em três zonas distintas, separadas por vales e rios: o Maciço Ocidental, com o Rio Sella a oeste e Cares a este e a que se acede por Cangas de Onís; o Maciço Central, que vai da Garganta do Cares ao vale do Duje, com acesso desde Cabrales; e o Maciço Oriental, entre Duje e Deva e a que se chega pela estrada de Panes.

No Ocidental, é imprescindível visitar Cangas de Onís (convém chegar a um domingo para desfrutar do tradicional mercado, onde se vendem queijos artesanais da região), uma localidade com antigos pergaminhos que é também um bom ponto de partida para percorrer o interior, dominado pela majestosa silhueta dos Picos da Europa. Se visitar a região em Agosto, pode descer o rio Sella de canoa, um dos maiores eventos europeus a este nível.

A 15 km de Cangas de Onís, Covadonga é outro dos pontos de partida para um dos percursos mais concorridos do Parque Natural.
Aproveite para ver a Basílica de Santa Maria La Real, a estátua de Pelágio e a Santa Cova antes de subir, montanha acima, até aos lagos de Enol e Ercina, talvez a zona mais conhecida e frequentada do parque.
Rumo ao Maciço Central, vale a pena parar em Arenas de Cabrales para admirar a magnífica igreja Santa Maria de Llas, do século XII. Daqui pode partir-se até Poncebos, ou percorrer a rota de Cares.
Em Poncebos, o funicular de Bulnes, dois vagões com lotação para 28 passageiros cada um, ligados por um cabo de aço, percorre as entranhas da terra até Bulnes, uma pequena aldeia até há bem pouco tempo apenas acessível por um caminho de cabras.
Pode optar pela estrada que leva à garganta de Cares e a um dos mais famosos trilhos pedestres do parque e ainda à pitoresca aldeia de Camarmeña.
Finalmente, para conhecer o Maciço Oriental, pode partir de Panes, passando pela igreja Santa Maria e virar para Fuente Dé, de onde parte o teleférico para o Refúgio de Verónica e o seu miradouro de vistas deslumbrantes (prepare-se para a descida de temperatura).

Conheça os Picos da Europa no roteiro Rota Ibérica.

BLUE LAGOON – ISLÂNDIA

Blue Lagoon

A Islândia é uma terra jovem, ainda em formação, e com uma geologia rica em vulcões, glaciares, desfiladeiros, fluxos de lava, rochas, crateras, e quedas de água.

A água geotérmica é abundante neste país, oferecendo aos seus habitantes e aos viajantes a oportunidade de aproveitar o seu grande potencial em benefícios para a saúde e relaxamento.

A composição destas águas geotérmicas é uma mistura única de ingredientes: rica em sais e outros minerais, sílica e algas azuis que dão o tom característico do lago.

Lagoa Azul da Islândia, é um SPA geotérmico situada nos campos de lava na zona oeste da Islândia, muito perto de Reykjavik.
Foi descoberta por acidente no final dos anos setenta, e reconhecida mundialmente pelas propriedades medicinais das suas águas.

Descubra a Islândia no nosso roteiro – Iceland, o paraíso ainda perdido.

ESTRADA NACIONAL 222 – PORTUGAL

A Estrada Nacional nº 222

A “melhor estrada do mundo” tem vista para o rio Douro – Portugal

Em 27 quilómetros sucedem-se 93 curvas, algumas bem apertadas, outras mais suaves, e que são intercaladas por rectas relativamente longas.

Esta podia ser apenas mais uma estrada sinuosa do interior de Portugal, mas acaba de ser considerada a melhor do mundo para conduzir. Trata-se da N222, no troço que liga Peso da Régua ao Pinhão, com o rio Douro sempre como companhia ao longo de todo o percurso.

A ligação entre o Peso da Régua e o Pinhão proporciona uma «viagem gloriosa», com vista para a região vinícola do Douro, declarada Património da Humanidade em 2001 pela UNESCO, e permite desfrutar do prazer de conduzir, alternando frequentemente o estilo de condução, referiu o estudo.

Tendo Portugal a melhor estrada do mundo para conduzir, aventure-se a conduzir uma moto BMW no roteiro IN Portugal, nesta magnífica região do Douro.